sexta-feira, junho 09, 2006

(retomando_'fôlego)

Foi um mês ... desgraçado, no bom sentido, o mês que passou. Não tive coragem pra nada, além de me concentrar p'ras provas que tinha a prestar. Estou recobrando a consciência. Acho que passei um mês em ... outra dimensão, aprisionado, e de mãos atadas.

Exagèro. Bom, costumo exagerar, mesmo. Soy persona de 8 & 80. Não encontro os trinta e poucos de jeito nenhum. Até estou encontrando modos de manter equilibrios, onde necessários, mas, até confesso, nos lugares necessários, não sou em grande desequilibrado, nunca fui.

Correções fazem parte da vida, penso. Precisei corrigir rumo, há uns anos, e isso, apesar de ter me desgovernado algumas coisas, me acertou o rumo, pra que eu viesse a poder, dali em diante, acertar a linha. (Confesso que prefiro ter desgovernado quando fui desgovernado, do que se tivesse em "governo" antigo até hoje, pois o governo antigo, na minha vida não era bom, não importa a propaganda que eu fazia.)

Abstrações.

CONCRETUDES

O concreto, disseram os humanistas, não existe. Desmancha no ar. Eu não sou humanista. Sou humano, e as pessoas confundem.

Se há algo de concreto na minha vida, eis: evito os 'ismos. Não gosto deles, e, bom, terei de conviver com alguns até que a morte me separe deste mundo, mas ficarei em verdade em verdade feliz, quando puder sair deste mundo, e deixar os 'ismos pra trás. Para sempre.

E viverei feliz para sempre!

:^)

SEMPRE

O sempre, disseram os ... cientistas, não existe. Concordo com eles, pois os cientistas descrevem o visível, e o visível teve início, tanto científico quanto religioso. Psiquiatria ganhou credibilidade pra mim quando um psiquiatra me explicou, de modo convincente, que a disciplina é ciência, mesmo apesar de profissionais ruins que confundem os métodos com interdisciplinaridades inconvenientes.

Que posso fazer? O mesmo acontece no meu campo de estudo... Não gosto de sociologia como ciência, mas é ciência, e eu não posso fazer nada. No lugar de sociologia, eu uso filologia e alguma versão antiga da geografia. E assim me ajeito.

Tenho ... aversão a filósofos modernos. Sociólogos se incluem em tal categoria. Também não gosto do jornalismo: parece carnificina! As perguntas que fizeram ao treinador da seleção brasileira ofenderam à minha nacionalidade.

E não sou nacionalista!, o que significa que eles real modo passaram dos limites...

É que os jornalistas não estão conseguindo, nos recentes dias, desvincular qualquer assunto que envolva o pavilhão brasileiro, de política, e sempre misturam as coisas, esperando encontrar deixas de denúncia de parcialidade. Mais parciais do que os que não gostariam de ser parciais nem mesmo em segredo são os parciais a priori do contra.

Estamos precisando de jornalistas imparciais, e de jornalistas com carreira. (Pois não tem problema terem personalidade polêmica, se têm carreira.)

CRÍTICO DE JORNALISMO

Não posso dizer que sou a pessoa mais .. suportável que existe... não, de modo algum!: sou insuportável, por vezes.

ASSUNTOS AMENOS

Livraria, música. Que seria de mim sem as amenidades da vida?

INTRO'

Concluída.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home